Advento

Advento

Quando passei a ler mais coisas do mundo reformado, me deparei com algumas pessoas falando sobre o Advento. Confesso que essa coisa de calendário litúrgico parecia mais coisa de católico, da mesma maneira que os catecismos. Todavia, depois de saber a história do dia de Ações de Graça, fiquei interessada em saber mais sobre o calendário litúrgico cristão.

Inicialmente, devo admitir que não achei fácil encontrar fontes confiáveis, reformadas. Aliás, ainda estou procurando e, se você souber onde posso me informar mais sobre o calendário litúrgico, coloca aqui nos comentários! Desde já agradeço.

Coincidência ou providência divina?

Antes de começar a falar sobre o Advento, quero explicar como foi que achei a fonte para escrever esse texto. Fiquei um bom tempo tentando achar algo confiável, porém não achava nada sobre a história. E, na internet é mais comum achar atividades para crianças sobre o advento. Todavia, sem nenhuma intenção, entrei no meu facebook. Um detalhe é que mal uso essa rede social, mas resolvi dar uma olhada no que as pessoas tinham postados.

De repente, apareceu um vídeo, que tinha sido uma transmissão ao vivo. Era o reverendo Augusto Bueno, que atualmente é missionário em Portugal. E o título era: mensagem da página “Cristão Presbiterianos da Covilhã” – 1º Domingo do Avento.

Ao ler o tema, agradeci a Deus, pois teria a oportunidade de ouvir alguém da minha denominação falando sobre o Advento.

Uma explicação inicial, antes de falar sobre o Advento

Antes de mais nada, o reverendo explicou primeiro o que é ser um cristão e presbiteriano. Achei incrível forma como ele explicou a história, falando da época dos evangelhos, das cartas paulinas, dos primeiros séculos, da época da reforma protestante, do missionário Smiton no Rio de Janeiro, para depois explicar sobre o Advento.

Motivo de sermos cristãos

Primeiramente, somos cristãos porque cremos em Cristo. Cremos no que está escrito no credo Niceno, que foi a primeira grande confissão de Niceia, no ano 325.  

Nos quatro primeiros séculos, a igreja foi espalhada e perseguida. E ela cresce, e começa a sistematizar fé, baseando nos evangelhos, nas cartas Paulinas e no Antigo Testamento, onde a revelação ao povo de israel foi dada.

Um pouco sobre ser presbiteriano

Antes de mais nada, os presbiterianos fazem parte do movimento reformista do século XVI, a  partir do monge agostiniano, Lutero. Esse movimento se espalhou para além da Alemanha. E, especificamente, o movimento presbiteriano nasce na Escócia, com John Knox. Depois se estendeu pela Inglaterra, com o movimento puritano. Lembrando que o puritanismo nasceu também da igreja Anglicana, que hoje é a igreja da Inglaterra, da congregacional. Depois se estendeu à Irlanda, Grã-Bretanha e foram aos EUA.

Aproximadamente entre 1859 para o final do século XIX, tiveram outros missionários. Um deles é Simton, que veio até ao Brasil, levando a semente do presbiterianismo. Especificamente na Baia de Ganabara, Rio de Janeiro.

Crença

Entretanto, no que creem os cristãos presbiterianos? Creem que só a Palavra de Deus deve ser ouvida. Sem dúvida reconhecemos o trabalho dos pais apostólicos, mas a Palavra inspirada está nos 66 livros da Bíblia. Escritos por inspiração do Espírito Santo.

Cremos também que só Cristo pode dar a verdadeira salvação, pois é a única verdade, a única vida, o único caminho para o pai. Cristo é único! Só a fé na Palavra, só a fé em Cristo e só a graça, o favor imerecido de Deus. Sem isso, não temos condição de salvação. Não há méritos humanos, são os méritos de Cristo.

Em Efésios 2.8, vemos que pela graça somos salvos. Além disso, temos que fazer tudo pra a glória de Deus e desfrutarmos/usarmos a fé, que é um instrumento de Deus para nos achegarmos a ele. E, se você notou direitinho, esses são esses os cinco pontos da Reforma Protestante: Somente as Escrituras, somente a fé, somente Cristo, somente a graça e glória somente a Deus. E é a partir desses cinco pontos que vemos e nos relacionamos com as coisas em nossa volta. É bom lembrar que temos dupla cidadania e a Bíblia é nosso manual.

Início do advento.

Advento

Conforme vemos os relatos, os cristãos antigos levavam muito a sério os eventos históricos. Sempre era comum para eles rememorarem os grandes eventos da fé, e um deles é a encarnação. Dessa forma, advento remente a vinda, chegada. Relembra-nos a primeira vinda de Jesus, o filho de Deus.

25 de Dezembro

É sempre era comum ter um tempo de preparação para a celebração que faremos no dia 25 de Dezembro. Entretanto, o natal é realmente no dia 25 de dezembro? Não cremos que Cristo nasceu exatamente nessa data. Os cristãos ortodoxos orientais, por exemplo, comemoram dia 06 de janeiro. A questão não é a data específica, mas o evento, que Cristo se encarnou.

E, dia 25 de dezembro, foi uma data foi escolhida para marcar esse evento. A nossa celebração não se reveste pelo dia, mas, sobretudo, pelo evento da encarnação de Cristo. Um evento glorioso que marcou a história. Logo, usar esses eventos é bom para aumentar a fé, nossa comunhão e dedicação ao próprio Deus. Aquele que nos reservou a vida eterna, pois Cristo veio para que tenhamos vida e vida em abundância.

Em síntese, Advento é preparação. Deus se fez carne, meus irmãos. Lendo as Escrituras, vemos que através dos séculos Deus preparou o mundo para avinda do seu filho! Lembrar disso deve nos deixar alegres, esperançosos! Vemos essa promessa da encarnação de Cristo desde Gênesis 3. 15.

Assim, para os cristãos, o Natal não tem nada a ver com essa ênfase de comércio, de consumo, de presentes, dessas músicas, até bonitas. Essencialmente, quando falamos de advento, de natal, estamos falando daquele grande evento que ocorreu em nossa vida. Porque se Deus não tivesse encarnado, todo o propósito, sistemática do universo, toda a história da salvação, de fato, não aconteceria.

Preparação

Mas o que fazer para se preparar para esse momento? A história ajuda a alimentar a força deste evento, que é a própria vinda do salvador.

A Bíblia tem vários textos que nos ajudam a alimentar essa fé e a entender o porquê dessa encarnação de Jesus. Há várias narrativas bíblicas com respeito ao natal e à encarnação. E o que devemos fazer é preparar nosso coração a fim de compreender com profundidade este evento, um evento fundamental para a vida do ser humano.

Em Gálatas 4.4, vemos que na plenitude dos tempos, Deus enviou seu filho, nascido de mulher. Deus preparou os tempos, para enviar seu filho. Sem dúvida, cremos na soberania de Deus; dirige esse mundo. Ele tem o controle da história, de tudo. E, por saber disso, é que os cristãos devem saber realmente qual é o objetivo do Natal cristão, para que não façamos da celebração desse evento apenas um momento de troca de presentes, meramente consumo.

Advento: uma ferramenta

O advento é uma ferramenta que a igreja antiga se propôs a fazer, para que os cristãos pudessem, apesar das coisas ruins que acontecem nesse mundo, principalmente a perseguição daquela época, onde muitos estavam para serem mortos, presos…, para cultuarem, relembrando a mensagem do grande evento que é o natal.

Assim, o advento se propõe a nos ajudar, pois é um tempo de preparação. É possível renovar a fé no tempo de sofrimento. E nada melhor que que lembrar da primeira vinda, mesclando com a esperança da segunda vinda.

A parábola das 10 virgens

Dando continuidade a fala sobre o advento, que é um tempo de preparação, o Reverendo Augusto Bueno, leu a parábola das 10 virgens, que está em Mateus 25. Convém esclarecer que parábola é uma espécie de comparação, algo semelhante, tem certo mistério. Ele também comenta como os sermões proféticos de Jesus são uma chamar à preparação. E, nessa parábola, as virgens sábias se prepararam.

É preciso deixar claro que no casamento judaico, a principal figura é o noivo. Tudo converge para o noivo. Pelo menos no judaísmo antigo. E isso é bem diferente para nossa atualidade ocidental.

Cheios do Espírito Santo

E, na preparação para a segunda vinda, a noiva tem que estar com a vasilha cheia de azeite, ou seja, cheia do Espírito Santo, que é representado também como azeite. Assim, a noiva (a igreja), enquanto espera o noive (Cristo) deve estar na presença do Espírito Snto. Temos que ouvir o ES, um ouvir centrado na Bíblia. Precisamos orar incessantemente, alimentar nossas almas com a presença desse azeite.

Pois o grande evento da vinda de Jesus será o casamento do noivo com a noiva. E muitos vão fica de fora. E nesse tempo do advento, queremos alimentar nossa alma com um relacionamento profundo, com oração e Bíblia.

Sem dúvida há muitos ruídos na internet, frases de efeito… mas precisamos apenas de uma voz, a voz do Espírito Santo. A oração não deve ser pontual e nem apenas pedir, mas uma comunhão verdadeira, pois é um caminho para estarmos abertos para Deus, pedindo misericórdia.

Em resumo, esta é a preparação para este natal e principalmente para a segunda vinda. Não podemos ficar com aquelas virgens com as vasilhas vazias, devemos nos preparar.

Acredito que isso esclarece até o que muitos possam pensar que presbiteriano vive de forma libertina, já que salvo uma vez, salvo para sempre. Mas isso é assunto para outros textos. O foco aqui não é fazer proselitismo ao calvinismo, contudo é incentivar que todo cristão se lembre da primeira vinda de Cristo, se preparando para a sua gloriosa segunda vinda.

Maranata!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.