II Coríntios 8.6-15

Contribuição

Inicialmente, o Pastor Augustus Nicodemus fez um resumo do estudo passado; onde no capítulo 8 e 9 de II Coríntios Paulo fala sobre contribuição. Isto é justamente para que os corintios continuassem com a contribuição prometida, ou seja, era um estímulo a contribuir.

Um outro ponto abordado é que o crente nem sempre é poupado de adversidades. Estamos num mundo caído e as dificuldades atingem a todos. Isso foi falado por causa dos crente que estavam em dificuldades e necessitavam ser ajudados por outros crentes.

E, por fim, nesta introdução, o Pastor recapitulou os três princípios do estudo anterior.

Este estudo sobre contribuição foi dividido da seguinte forma:
  1. Introdução (os parágrafos iniciais já lidos)
  2. Duas observações sobre contribuição
  3. Quatros princípios sobre contribuição vistos em II Coríntios 8.6-15
  4. Conclusões/Aplicações

Duas observações sobre contribuição

Primeiramente, este trecho da bíblia foi escrito para uma situação específica mas tem validade universal. Os princípios aqui ensinados são para o povo de Deus em qualquer época.

Segundo, aqui não se fala de dízimo, porém o princípio pode ser usado para isto, pois fala de proporcionalidade, voluntariedade, generosidade e regularidade. Como também, estudar sobre contribuição é importante para desmascarar a teologia da prosperidade, que engana e traumatiza alguns cristãos.

Quatros princípios sobre contribuição vistos em II Coríntios 8.6-15

Generosidade proporcional à fé e nosso conhecimento (versículos 6 e 7)

Superabundância de fé e contribuição.

Inicialmente, no versículo 6, vemos que há diferença entre prometer e cumprir, por isso Paulo recomendou a Tito para que a igreja contribuísse.

Como também o progresso em outras áreas da vida cristã não é garantia de crescimento na generosidade, como diz o Pastor Hernandes Dias Lopes em seu comentário bíblico (versículo 7).

Da mesma forma que Deus deu as coisas (fé, conhecimento etc.) é esperado que a igreja contribua. Certamente é esperado coerência, pois não pode ter mesquinhez. Assim como cresce no conhecimento, deve crescer em generosidade.

A motivação em contribuir é o exemplo de Cristo

Contribuição não é por mandamento, mas de forma voluntária. Isso é o contrário do que é pregado em igrejas neopentecostais. Sem dúvida, contribuir é graça, privilégio! Pois é uma oportunidade de manifestar o amor, sinceridade (versículo 8).

E tudo isso é por ter Cristo como exemplo – a obra de Cristo por nós – Filipenses 2 (argumento principal). Isto deve nos estimular a renunciar. A nos tornar pobres para enriquecer a outros. Com Cristo aprendemos a dar, a sacrificar.

Hernandes Dias lopes diz em seu comentário que a contribuição deve ser motivada pelo amor ao próximo, pois ela é resultado do exemplo de Cristo.

Boas intenções apenas não bastam (versículos 10-11a)

O corintos são estimulados a completar a obra iniciada. Faz um ano do comprometimento. Deram alguma coisa, mas não completaram a contribuição conforme o prometido.

Inegavelmente deve-se dizer e fazer! Quantas vezes no batismo e profissão de fé prometemos coisas, mas cumprimos?! De igual modo são as promessas de casamento: devem ser cumpridas.

No seu comentário bíblico, o Pastor Hernandes Dias Lopes escreve uma frase de Warren Wiesbe que diz que a disposição não é um substituto para a ação.

Contribuir segundo as vossas posses (versículo 11b – 15)

Proporcionalidade

Certamente não é para dar o que não tem, pois Deus não pede isso. Mas Ele pede de acordo com o que Ele nos dá.

Igualdade

Haverá igualdade. Não é para ter sobrecarga. Hoje ajudamos e amanhã podemos ser ajudados. A ajuda deve ser mútua.

Em Êxodo 16. 16-18 vemos que Deus supre a necessidade do seu povo. Devemos guardar o que precisamos e compartilhar o que podemos.

A semente da multiplicação não é a que comemos, mas a que semeamos. Hoje suprimos a necessidade de alguém. Amanhã esse alguém pode suprir a nossa necessidade. A vida dá muitas voltas. O provedor de hoje pode ser o necessitado de amanhã. O bem que semeamos hoje colheremos amanhã. O próprio campo onde semeamos hoje tornar-se-á a lavoura frutuosa que nos alimentará amanhã. 
Hernandes Dias Lopes

Conclusões sobre a contribuição em II Coríntios 8.6-15

  1. Operação da graça de Deus na forma da contribuição. Deus salva o coração e também o bolso.
  2. Mesmos os mais desprovidos tem a graça de contribuir.
  3. Contribuição não é mandamento, algo compulsório, mas é voluntariado.
  4. Deus quer a nós. Devemos amar a Deus se nos desapegar dos bens. Devemos nos entregar a Deus
  5. As igrejas deveriam ser mais generosas, da forma bíblica, claro.
  6. O exemplo maior é Cristo!
  7. Extorquir usando a Bíblia é contra o espírito do Evangelho. É falso profeta, pois eles saqueiam o coração, o bolso e a consciência.
  8. Que Deus tenha misericórdia para que a gente contribua e pelo Brasil, por mais emprego, salários maiores etc.

Por fim, que Deus ajude seu povo a aplicar sua palavra. Pois, apesar de não ser compulsória, a contribuição revela muito do nosso coração.

Então, gosta do nosso site? Se sim, dá uma olhada lá no nosso Instagram também! Clica aqui.

E, se você quiser ver o vídeo do estudo, clica aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.