Lar – pais e filhos

Lar

Com a nova vida em Cristo, somos cheios do Espírito santo e isso reflete no lar. Na carta de Paulo aos Efésios, de acordo com a introdução dessa carta na Bíblia de Estudo de Genebra: o propósito é “ensinar aos cristãos em Éfeso a maravilha e as implicações práticas de ser a igreja de Cristo”. E, no trecho de Efésios 6. 1-4, o foco está no lar.

Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo.

Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa),

Para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra.

E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do senhor.

Efésios 6. 1-4

Obediência no lar é de acordo com o contexto?

Às vezes, podemos ler algo na Bíblia e justificar o não cumprimento falando que estamos numa época diferente da que foi escrita. E, se trouxesse para nossa realidade, possivelmente as coisas seriam diferentes. Por isso, é sempre bom sabermos como era a situação, o contexto em que determinado texto foi escrito.

 Esse de Efésios 6. 1-4, foi escrito na época do Império Romano. O regime era bem diferente do nosso. Naquele período, o pai tinha poder absoluto sobre o filho. Podia vender, escravizar, matar, casar… Assim, vemos como o contexto da época era bem mais difícil do que o que vivemos hoje. Já que essas coisas que o pais podiam fazer com os filhos, agora são considerados crimes. Mas, mesmo naquela situação muito complicada, a orientação é que os filhos obedeçam a seus pais. Pois o único contexto que autoriza a desobediência aos pais é quanto estes tentam fazer com que seus filhos pequem contra Deus.

Infelizmente, nós tendemos aos extremos. Enquanto que os Romanos tinham essa autoridade tirânica, em meados da década de 60, 70, tem a revolução hippie que se revolta contra toda autoridade, inclusive a dos pais. Extremo também pode ser a total negligência, quanto a extrema dependência que, dentre as várias consequências, pode afetar na formação da futura família dos filhos.

Voltando ao Jardim, o lar que Deus preparou para a humanidade.

Acredito que seja importante voltarmos ao primeiro lar aqui na terra. Na criação, Deus fez tudo perfeito. Havia perfeita comunhão, harmonia, mas, pela desobediência (Deus ordenou que não comessem do fruto) o pecado entrou e bagunçou tudo. Porém, Deus não nos deixou sem esperança, não nos entregou a nossa própria sorte, mas prometeu que Cristo viria e tudo mudaria.

Até que Cristo veio, cumpriu a vontade do Pai. E sabemos que essa obediência foi bem sofrida, pois fez com Ele morresse e sofresse a ira de Deus por nós. Cristo é nosso maior exemplo. É o perfeito exemplo. Ele mostrou como viver de modo justo. Apesar das consequências.

Motivos para a obediência

No versículo 1, vemos que um dos motivos é que é justo que os filhos obedeçam aos pais. E isso é comum não só no cristianismo, mas em várias outras religiões. De acordo com Romanos 1. 28-30 e 2 Timóteo 3. 1-3, vemos que a desobediência aos pais é um sinal tanto de decadência da sociedade, quanto do fim dos tempos.

Nesse ponto, vejo como a vida é agridoce. Pois, ao mesmo tempo em que vemos toda essa decadência e nos entristecemos, podemos nos alegrar, já que este é um dos sinais dos últimos dias, quando Cristo voltará. Maranata!

No versículo 2 e 3, Paulo nos lembra do que está escrito lá na lei (Êxodo 20.12 e Deuteronômio 5. 16). Diz para honrarmos pai e mãe, pois é o primeiro mandamento com promessa. E a promessa é de viver bem. É importante destacar que quem morre cedo não necessariamente era desobediente aos pais, mas, quando obedecemos aos nossos pais, podemos ter muitos livramentos (por exemplo, limitando horários, reduz as chances de ser vítima da violência urbana).

Quando Paulo fala que devemos obedecer aos pais no Senhor, que dizer que a obediência é porque eles são antes de tudo, servos de Cristo. Assim, a obediência aos pais, a harmonia no lar é consequência do relacionamento que as pessoas têm com Cristo.

Claro que isso não é algo imediato, mesmo salvos em Cristo pecamos e é por isso que somos exortados com trechos como esse, falando para obedecermos, como também para amar. Nossa natureza caída tende para o mal. Sem dúvida, já cremos que somos salvos, santos em Cristo, mas a glorificação é para o futuro.

Os pais

Por fim, Paulo fala sobre os pais. Ainda não é minha realidade. Mas acredito que é possível falar sobre isso mesmo sem ter experiência, quando se limita ao que está na Palavra.

Os pais também são pecadores, salvos ou não. Eles também carecem de Cristo, eles erram. E por isso Paulo fala para que eles não provoquem a ira dos filhos, mas que cumpram o seu dever que é de criar os filhos nos caminhos do Senhor.

Resumo sobre o lar cristão

Gostei muito de uma frase do Pastor Hernandes Dias Lopes: “Se o nosso cristianismo não é capaz de mudar o nosso relacionamento com a nossa família, ele está falido. É impossível ser um jovem fiel, abençoado, cheio do Espírito sem obedecer os pais”.

E aqui vemos a essência de tudo. Mais que meras regras, é o evangelho que nos transforma e nos faz obedecer até quando não concordamos (caso não seja pecado). Como falei anteriormente, Cristo é o exemplo. E, quando esteve aqui, seu único propósito era obedecer ao Pai. E isto causou sofrimento e morte. Ele é o exemplo de humildade, submissão. Não podemos esquecer que tudo que ele passou foi para nos salvar. Salvar seu povo de seu próprio pecado. A gente pode até sofrer algumas coisas por obedecer, mas nada se compara ao que Cristo fez.

Temos a mente de Cristo, nascemos de novo nEle, logo, vamos fazer o que Ele fez.

Gostou desse texto? Se sim, acompanha a gente pelo instagram!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.