Como fazer a obra de Deus

Obra de Deus

Antes de mais nada, este texto é fruto da anotações do culto realizado pela manhã na Igreja Presbiteriana das Graças. Quem ministrou o sermão foi o Pastor Antônio Sávio (14. 07. 2019). E o termo fazer a obra de Deus aqui tem o sentido do exercício da nossa vocação. É a utilização dos dons e habilidades. É o trabalhar para a glória de Deus e não para nós mesmos.

O texto base foi João 6. 22-40

COMO FAZER  OBRA DE DEUS?

Sem dúvidas, é simples. A gente é que complica as coisas.

A princípio, o pastor fez uma introdução para contextualizar. Conforme ministrado nos cultos anteriores (ou seja, ou capítulos anteriores do livro de João), foi falado sobre a guarda do sábado (história antes da multiplicação dos pães). E, sobre esse tema, Jesus faz o que Deus faz. Trabalha do modo que Deus trabalha. Inegavelmente, Deus também deve ser nosso padrão. Após isso, ele relata o fato de Jesus andar sobre as águas.

Nesse contexto, a multidão pergunta por Jesus. Vai em direção a Jesus. Certamente queriam estar com Jesus, entretanto Jesus discerne que queriam mais pães. O interesse não era em Jesus, mas nos pães.

Conforme vemos nas Escrituras, Jesus fazia milagres, mas eram sinais e sinais apontam uma direção a seguir, ou seja, não tinham um fim em si mesmo, mas era pra que as pessoas cressem em Deus.

Sendo assim, o objetivo do milagre é maior que o milagre. Milagre é apenas um meio para que as pessoas passassem a confiar apenas em Deus. Contudo, às vezes temos um Deus pelas coisas que Ele pode dar. Por exemplo: Se tenho uma dívida e Deus não me ajuda, posso questionar pra que buscar a Deus?

Conhecimento das escrituras e a obra de Deus

Os judeus conheciam as escrituras. Do mesmo modo são os crentes: conhecem as escrituras, mas buscam a Deus apenas pelas bênçãos.

Se bem que há situações em que necessitamos de Deus e ele faz o milagre, age em nosso favor. Mas é comum transformamos Deus em um agente para nosso bem estar. Dessa maneira, buscamos a Deus pelo conforto e não pelas reais necessidades. Ficamos insatisfeitos pelos luxos que não temos, pois o objetivo não é a glória de Deus, mas nós mesmos. Cremos em Deus para receber milagres. O fim não é Deus, mas nós mesmos.

Cristianismo por interesse terreno

O cristianismo que vivemos é buscar a Deus para que Ele supra o que achamos que necessitamos para nosso conforto. Todavia, vida com Deus é de paz, coração feliz e não de conforto. É algo de dentro, e não de dinheiro, saúde, casa boa, conforto…

Quando agimos por interesse, nos tornamos iguais aos pagãos, pois estes buscam seus deuses para o saciamento de seus desejos, fantasias. Os sacrifícios que eles fazem são para seus deuses cumpram seus desejos. Porém Jesus nos deu a vida eterna.

O Salmo 23 foi escrito por Davi e ele estava passando por um momento de perseguição; estava sem casa, sem família. Entretanto, Davi estava satisfeito em Deus e não em seus próprios desejos. De acordo com o Salmo, vemos que ele tinha contentamento, satisfação em Deus. Com toda certeza ele sabia que Deus cuidava, por isso havia sossego, descanso. Inegavelmente Deus supre por dentro, dando paz, serenidade, alegria, satisfação.

Em resumo, quando fazemos a obra de Deus para ser abençoados, somo siguais aos pagãos.

Sem dúvida nós temos necessidades, mas o Senhor prometeu suprir todas elas. E por isso não há necessidade de barganhar com Deus. E saber disse deve nos levar a viver para a glória de Deus.

O exemplo de Paulo

De fato Paulo temia, servia a Deus, mas o espinho não foi tirado. A graça bastava. O poder se aperfeiçoa na fraqueza. Isso era para esbofetear a carne. Tudo isso é para se satisfazer apenas em Deus, confiar cada vez mais em Deus.

Obra de Deus

Dessa maneira, devemos fazer a obra de Deus para a glória de Deus e não para que depois Deus faça alguma coisa para nós.

O exemplo de Jesus

Jesus tinha necessidades. Uma delas foi na hora de pagar os tributos. Deus supriu a necessidade e este milagre foi para crer em Cristo.

Trabalhar com qual objetivo?

De acordo com a Bíblia, a obra de Deus é simples. O objetivo do nosso trabalho não deve ser apenas para suprir nossas necessidades. Deus gosta de nos abençoar. Mas o problema é que queremos as bênçãos de Deus e não Deus. Fazemos de Deus um ídolo.

No cristianismo o trabalho tem outra lógica. É contra cultura, contrária a lógica do mercado. Trabalhar para a glória de Deus e Deus suprirá cada uma das necessidades, segundo sua multiforme graça.

Trabalhar apenas em benefício próprio é pecado! Nós não suprimos nossas necessidades. Se vivo pra Deus, tudo o que eu faço é para Deus. Tudo é para a glória de Deus. Não importa se estão vendo ou se é remunerado. O que importa é a motivação.

Nosso trabalho deve ser com o objetivo de Deus ser glorificado. Deus é glorificado quando estamos satisfeitos nEle.

Pressão do mercado e a obra de Deus

Há pressão do mercado para trabalharmos mais do que é necessário, mas nós glorificamos a Deus e não a nós mesmo ou mercado. Precisamos viver para Deus, isso deve fazer com que nos dediquemos mais, pois sabemos a quem servimos.

Fazer a obra de Deus é simples

Deus nos usa para o benefício de alguém, para abençoar alguém. E que isso nos leve a adorar a Deus. Viver para Deus e não para as coisas, mercado, empresa…

Ética protestante do trabalho

Max Weber diz que todos os que viveram para Deus (ética protestante), foram virtuosos, generosos, sofreram danos, mas viviam alegres. Eram acolhedores, cuidavam das pessoas, eram econômicos. E com isso prosperam, diferente da mente capitalista, que é autossuficiente. Somos capitalistas ou cristãos? O mercado nos consome quando servimos ao deus deste século.

A obra de Deus e a graça

A graça generosa é que nos supre. Precisamos nos converter à fé, que Deus é o supridor. Sem dúvida alguns vão enriquecer, por que Deus quer. Várias pessoas que andaram com Deus não ficaram ricas, por exemplo, Elias, Elizeu, Paulo, Pedro, mas tinham tudo, tinham Deus. E Deus supria as necessidades.

Inegavelmente, grande é a fidelidade do Senhor. Deus se torna galardoador daqueles que o buscam. Se somos escravos do dinheiro, vamos para o inferno, pois isso é avareza. E os avarentos não herdarão o reino de Deus.

Não podemos negar quese somos apegados ao dinheiro se não vivemos pela fé. Caímos no engodo de Satanás, estamos prostados diante das divindades do mercado. A alegria varia de acordo com a economia, salário, poupança, investimentos… avareza!! Está indo para o inferno. Devemos sempre ter em mente que Cristo morreu para que tenhamos uma vida de fé e não subjugada pelo mercado.

Cremos que Jesus é o pão da vida (versículo 35)?

Se cremos, não vamos trabalhar mais para o mercado. Teremos a consciência que trabalhar é fazer a obra de Deus, pois esta não é limitada à apenas atividades eclesiásticas.

Fazendo a obra de Deus

Quando fazemos a obra de Deus, ou seja, qualquer trabalho em resposta à nossa vocação, para a glória de Deus, não precisamos burlar a receita federal. Mas se cremos que Deus é quem cuida de nós, se confiamos que em Deus como nosso Pai, não precisaremos sonegar impostos. Devemos trabalhar diligentemente, cumprir nossas obrigações, pois não suprimos nossas necessidades, mas cremos em um Deus que faz com que todas as coisas cooperem para nos deixar mais parecidos com Cristo.

Em resumo, fazendo a obra de Deus para a glória de Deus mostra nossa motivação, revela em quem nós cremos: em Deus e não na força do nosso braço. Seguimos a lógica de Deus e não a do mercado. Mostra se adoramos a Deus ou se o usamos.

Gosta do nosso site? Dá uma olhada no nosso instagram! Clica aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.