II Coríntios 11. 16-33

Loucura de Paulo

Neste estudo, o Pr. Augustus Nicodemos relembrou que os corintos estavam dando crédito aos falsos mestres e desconfiando de Paulo. E é por isso que Paulo se defende. O apóstolo pode ser tido como louco, mas a loucura de Paulo era para o bem da igreja.

Achei interessante o título que o Pr. Hernandes Dias Lopes deu no seu comentário sobre isso: “A loucura deliberada de Paulo pela igreja”. Isso porque Paulo usa as mesmas armas do inimigo para combatê-los.

Primeiro ele permissão para se gloriar mais um pouco (v. 16-18). Segundo, ele dá a razão disso (v.19-21), pois o povo se julgava sensato, mas tolerava os insensatos. Assim, Paulo, ironicamente, diz que poderia ter de aproveitado também. E, terceiro, relata sobre aquilo para o qual ele estava se preparando. Paulo fala de forma irônica (v. 21-33) .

A loucura de Paulo

Por qual razão Paulo era tido como louco, tolo? Por causa da influência dos falsos metres.

Primeiramente, no versículo 17, vemos que Cristo não se gloriava, todavia, aqui parece que Paulo não seguiu o exemplo de Cristo. Paulo fez como se estivesse na carne; essa era a loucura de Paulo.

Já no versículo 18, vemos que Paulo entrou no jogo dos seus adversários. O Pr. Nicodemus fez uma analogia com o fato de Davi ter usado a espada de Golias para matá-lo.

A razão da loucura de Paulo (v. 19-21)

Conforme vemos na Bíblia, Paulo introduz esse trecho com uma explicação (Porque).

De acordo com o versículo 19, os corintos toleravam a insensatez dos falsos mestres. Eles eram judaizantes, enfatizavam a lei de Moisés, e isso era escravizante. Os corintos toleravam que os exploravam financeiramente pelo engano. No versículo 20, os corintos toleravam quem escravizava a mente e quem os esbofeteava (aqui cabe a forma literal – agressão- e a figurada – desprezo).

Paulo ficava indignado por isso. E, ironicamente, diz que foi fraco quando estava com o corintos e não os explorou, não fez igual aos falsos mestres.

Paulo se gloria de várias coisas

Nessa parte, o Pr. Nicodemus citou, pois falará mais no próximo estudo.

Ele relatou que a loucura de Paulo, o que ele fez, foi por causa do risco que a igreja corria com os falsos mestres.

Conforme vemos nas Escrituras, Paulo se gloriava de coisas tidas como absurdas. Por exemplo: Quem mais sofreu por Cristo? Quem mais foi fiel? Ele não se gloriava no sucesso, mas no sofrimento físico e psicológico.

Conclusões

  1. Devemos ter sabedoria para saber quando entrar no jogo do inimigo para o refutar. Quando combater aceitando as premissas. Mas, sem dúvida, “matar Golias com a espada de Golias” é perigoso.
  2. O uso de ironia deve ser cuidadosamente analisada se é ou não conveniente usar.
  3. É insensatez se gloriar. Mas no caso de Paulo, ele fez isso para a glória de Deus.
  4. A marca de um ministério, a autenticidade não se mede pelo sucesso. No dia do juízo saberemos as motivações.

O Pr. Nicodemus falou até sobre os coach, pois, se fosse nos dias atuais, há quem falasse que Paulo deveria aumentar sua autoestima (rsrs) etc. Mas deve-se pedir sabedoria a Deus para lidar com oposições no ministério, como também, pedir humildade para reconhecer quando a oposição está correta.

Que Deus no ajude!

O vídeo do estudo está disponível no Youtube.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.